sábado, 20 de febrero de 2010

Fray Antonio Rabelo o Laurindo das Chagas, Soneto

El cambista y su mujer

Deus pede estrita conta de meu tempo.

E eu vou do meu tempo, dar-lhe conta.

Mas, como dar, sem tempo, tanta conta

Eu, que gastei, sem conta, tanto tempo?

Para dar minha conta feita a tempo,

O tempo me foi dado, e não fiz conta.

Não quis, sobrando tempo, fazer conta.

Hoje, quero acertar conta, e não há tempo.

Oh, vós, que tendes tempo sem ter conta,

Não gasteis vosso tempo em passatempo.

Cuidai, enquanto é tempo, em vossa conta!

Pois, aqueles que, sem conta, gastam tempo,

Quando o tempo chegar, de prestar conta

Chorarão, como eu, o não ter tempo...


Deus pede estrita conta de meu tempo,
É forçoso do tempo já dar conta;
Mas, como dar sem tempo tanta conta,
Eu que gastei sem conta tanto tempo?


Para ter minha conta feita a tempo
Dado me foi bem tempo e não foi conta.
Não quis sobrando tempo fazer conta,
Quero hoje fazer conta e falta tempo.


Oh! vós que tendes tempo sem ter conta
Não gasteis esse tempo em passatempo:
Cuidai enquanto é tempo em fazer conta.


Mas, oh! se os que contam com seu tempo
Fizessem desse tempo alguma conta,
Não choravam como eu o não ter tempo.

Este soneto lo he visto atribuido en mil lugares a Fray Antonio das Chagas y en otros-como en el Jornal de Poesía- a Laurindo Rabelo. Hasta tanto no vea una fuente confiable, haré un mixtura de los padres putativos de este hermoso soneto; ojalá la incógnita se devele, y disculpen mi ignorancia.

2 comentarios:

  1. Henrique Pimenta, qué honor que vc pase por aquí! Seja bem-vindo!

    ResponderEliminar